CORONAVÍRUS: Enquanto os ricos se isolam, os pobres de São Paulo não podem arcar com o confinamento

0

São Paulo (CNN) – As torres de vidro do distrito financeiro de São Paulo estão desligadas, os bares fechados e os restaurantes abertos apenas para entrega. Mas nos arredores da cidade, os moradores dizem que não podem parar de trabalhar, mesmo que isso signifique arriscar suas vidas.

“Se você ficar em casa, passará fome”, disse Dejair Batista, proprietário de um salão de cabeleireiro em Brasilândia, uma das maiores e mais mortais favelas em termos de mortes pela covid-19, segundo a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. . Até agora, mais de 120 de seus moradores morreram de complicações relacionadas ao coronavírus, segundo as autoridades.

No geral, o Brasil é o país mais afetado da América Latina, com o número de casos confirmados de covid-19 aumentando para milhares todos os dias. O número de mortos ultrapassou 12.000, com mais de 177.000 casos confirmados, segundo autoridades de saúde. Quase 4.000 das mortes foram registradas no estado de São Paulo.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro repetidamente rejeitou a covid-19 como uma “pequena gripe” e instou as empresas a reabrirem, enquanto muitos governadores lutam para implementar medidas de isolamento social e reduzir sua disseminação. São Paulo está em quarentena desde março.

Em uma tarde recente, Batista abriu a porta deslizante de metal da sua sala de estar, vestiu uma máscara e gritou aos possíveis clientes que ela estava aberta, desafiando uma ordem do estado para fechar todos os negócios, exceto os essenciais.

“Se eu pudesse escolher, ficaria em casa. Mas tenho que sair, não tem outro jeito ”, disse Batista, explicando que apóia sua irmã e sobrinha. “Estou atrasado em todas as minhas contas, desde o mês passado, a partir deste mês.”

Construída nas colinas na parte norte de São Paulo, a Brasilândia é o lar de mais de 260.000 pessoas. No total, de acordo com o censo oficial, mais de 11% dos moradores da cidade vivem em favelas, e muitos deles trabalham na economia informal que desapareceu em grande parte durante a crise da pandemia de coronavírus.

Nair Barbosa estava limpando casas, mas foi demitido quando a família em que trabalhava começou a ficar em casa. Ela se inscreveu no subsídio de desemprego temporário federal no valor de US $ 100 por mês e esperou em uma fila lotada, com outros residentes, por mais de uma hora no escritório da agência do governo em Brasilândia para buscar seu primeiro cheque. Ele saiu de mãos vazias.

“O sistema falhou”, disse ele. “Eu tive que ir para casa e voltar hoje mais tarde”.

Segundo o secretário de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, embora os viajantes ricos que retornaram de suas férias na Itália e nas pistas de esqui do Colorado tenham trazido o coronavírus para o Brasil, os pobres serão os mais afetados.

“Onde as pessoas estão morrendo é nos arredores da cidade. Por isso, o isolamento social é tão importante”, afirmou Aparecido.

Mas, como em muitas favelas, o isolamento social é muito difícil na Brasilândia. Muitas gerações são embaladas sob o mesmo teto e existem poucos parques públicos ou outros espaços públicos. Para os cuidados de saúde, existem clínicas, mas não grandes hospitais.

“Começou como o chamado vírus importado por pessoas que vivem em melhores condições”, disse Aparecido. “Mas agora que ele foi para as periferias, você pode ver o que está acontecendo.”

Por Shasta Darlington

Share.

Comments are closed.