Caos na saúde em Pinheiro

0

Conforme denúncia encaminhada a este Blog, o secretário municipal de saúde de Pinheiro determinou ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU que realizasse o transporte de todos os pacientes do Hospital Antenor Abreu para o município de São Luís. Dessa forma o município de Pinheiro fica desassistido de ambulância, pois todos os dias acontecem viagens para transportar pacientes para São Luís. O que o secretário de saúde e o prefeito de Pinheiro, Frederico Araújo Lobato e Luciano Genézio, não se atentaram é que a população necessita desse serviço e que a qualquer instante alguém poderia sentir-se mau ou até mesmo acidentes poderiam acontecer.

Funcionários do SAMU foram reclamar ao secretário de saúde e colocar da impossibilidade de realização dessas viagens diárias, pois a população ficaria desassistida. E obtiveram como resposta: “…façam o que eu mando!”

Dessa forma os funcionários se vêem obrigados a sair às 03hs da madrugada de um plantão pesado de ocorrências para fazer viagem para são Luís e sem nenhuma diária paga. Alguns chegam a ficar com fome na capital e aguardam varias horas esperando o ferryboat quando perdem o horário devido a morosidade do atendimento no sistema público e municipal de saúda de capital. Mas esse dinheiro das diárias está indo pra onde? Pro bolso de quem? Fica a indagação!

São quatro anos sem os funcionários do SAMU receberem fardamentos, a maioria tira recurso próprio para fazer a compra, e outros não tem condições de comprar e usam calça jeans comum mesmo. Uma VERGONHA!

Médicos em Pinheiro estão a dois meses sem receber seus salários e os funcionários do SAMU quando recebem vem faltando 100 a 200 reais do salário. Quando procuram o secretário municipal de saúde, Frederico Araújo Lobato, este fala que se não estão satisfeitos que saiam e dêem o lugar a outro! Uma verdadeira humilhação os funcionários do SAMU em Pinheiro estão passando!

O Blog encontra-se aberto a quaisquer esclarecimentos acerca do conteúdo da denuncia enviada por leitor.

Share.

Comments are closed.