Bolsonaro diz que pandemia foi “superdimensionada”

0

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 4ª feira (14.out.2020) que a pandemia de covid-19 no Brasil foi superestimada. A declaração foi feita durante discurso na cerimônia de posse da nova diretoria da Firjan (Federação das Industrias do Rio de Janeiro).

Bolsonaro defendeu que o vírus e o desemprego deveriam ter sido tratados de forma igual e simultânea.

“O problema da pandemia, que no meu entendimento foi superdimensionado, desde o começo falei que tinha uns 2 problemas pela frente: a questão do vírus e o desemprego. E que eles deveriam ser tratados com a mesma responsabilidade e simultaneamente”, disse.

O Brasil é o 2º país do mundo com mais mortes por covid-19. Só os Estados Unidos têm mais vítimas: 220.694. Até as 18h30 dessa 3ª feira (13.out), o país tinha pelo menos 150.998 mortes por covid-19.

Ao todo, segundo o Ministério da Saúde, 5.113.628 pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus no país – 1 acréscimo de 10.220 em relação ao dia anterior. Aproximadamente 4,5 milhões de pessoas se recuperaram da doença até o momento. Outras 436 mil estão em acompanhamento.

O número de mortos no Brasil também é elevado quando feita a comparação proporcional. São 713 vítimas a cada milhão de habitantes –segundo cruzamento de dados do Ministério da Saúde com a última estimativa populacional divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A taxa coloca o Brasil na 3ª posição do ranking mundial. O Peru é o país onde a covid-19 mais mata em relação ao número de habitantes. São 1.008 vítimas a cada milhão de pessoas. Distrito Federal, Rio de Janeiro, Roraima, Mato Grosso e Amazonas têm taxas mais altas.

Bolsonaro elogiou ainda a postura de seu governo e dos empresários, que não seguiram a “onda fica em casa que a economia a gente vê depois”.

Segundo ele, se isso tivesse ocorrido o país estaria “numa situação bastante complicada no momento”. “Graças ao bom ministério que montamos conseguimos, em especial junto com o Ministério da Economia, implementar medidas que fizessem com que os efeitos colaterais da pandemia fossem bastante mitigados”, disse.

VOADORA NA CORRUPÇÃO

Mais cedo, nesta 4ª feira (14.out), em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que dará “uma voadora no pescoço” de quem se envolver com corrupção em seu governo.

“Polícia Federal tá lá em Roraima hoje. Para mim não tem [operação], para investigar o meu governo não tem porque a gente botou gente lá realmente comprometida com a honestidade, com o futuro do Brasil. Se acontecer alguma coisa, a gente bota para correr, dá uma voadora no pescoço dele, mas eu não acredito que haja no meu governo”, disse.

Fonte: Poder360

Share.

Comments are closed.